sexta-feira, 18 de outubro de 2013

Ausência


 Vinícius de Moraes

* No dia 19 de outubro de 2013, Vinícius de Moraes faria 100 anos. O ''poetinha'', como ficou conhecido, nos deixou imortais canções e belíssimas obras escritas.
Entre os seus mais lindos e inspiradores poemas, eis um dos meus favoritos:


Eu deixarei que morra em mim o desejo de amar os teus olhos que são doces
Porque nada te poderei dar senão a mágoa de me veres eternamente exausto.
No entanto a tua presença é qualquer coisa como a luz e a vida
E eu sinto que em meu gesto existe o teu gesto e em minha voz a tua voz.
Não te quero ter porque em meu ser tudo estaria terminado.
Quero só que surjas em mim como a fé nos desesperados
Para que eu possa levar uma gota de orvalho nesta terra amaldiçoada
Que ficou sobre a minha carne como nódoa do passado.
Eu deixarei... tu irás e encostarás a tua face em outra face.
Teus dedos enlaçarão outros dedos e tu desabrocharás para a madrugada.
Mas tu não saberás que quem te colheu fui eu, porque eu fui o grande íntimo da noite.
Porque eu encostei minha face na face da noite e ouvi a tua fala amorosa.
Porque meus dedos enlaçaram os dedos da névoa suspensos no espaço.
E eu trouxe até mim a misteriosa essência do teu abandono desordenado.
Eu ficarei só como os veleiros nos pontos silenciosos.
Mas eu te possuirei como ninguém porque poderei partir.
E todas as lamentações do mar, do vento, do céu, das aves, das estrelas
Serão a tua voz presente, a tua voz ausente, a tua voz serenizada.


quarta-feira, 16 de outubro de 2013

Posso escrever os versos mais tristes esta noite

 (Pablo Neruda)


Posso escrever os versos mais tristes esta noite.
Escrever, por exemplo:
"A noite está estrelada, e tiritam, azuis, 
os astros, ao longe".
O vento da noite gira no céu e canta.

Posso escrever os versos mais tristes esta noite. 
Eu a quis, e às vezes ela também me quis... 
Em noites como esta eu a tive entre os meus braços. 
A beijei tantas vezes debaixo o céu infinito. 
Ela me quis, às vezes eu também a queria. 
Como não ter amado os seus grandes olhos fixos.

Posso escrever os versos mais tristes esta noite. 
Pensar que não a tenho. Sentir que a perdi. 
Ouvir a noite imensa, mais imensa sem ela. 
E o verso cai na alma como no pasto o orvalho. 
Que importa que o meu amor não pudesse guardá-la.
A noite está estrelada e ela não está comigo.

Isso é tudo. Ao longe alguém canta. Ao longe. 
Minha alma não se contenta com tê-la perdido. 
Como para aproximá-la meu olhar a procura.
Meu coração a procura, e ela não está comigo. 

A mesma noite que faz branquear as mesmas árvores.
Nós, os de então, já não somos os mesmos.
Já não a quero, é verdade, mas quanto a quis.
Minha voz procurava o vento para tocar o seu ouvido.

De outro. Será de outro. Como antes dos meus beijos. 
Sua voz, seu corpo claro. Seus olhos infinitos. 
Já não a quero, é verdade, mas talvez a quero.
É tão curto o amor, e é tão longe o esquecimento. 

Porque em noites como esta eu a tive entre os meus braços,
minha alma não se contenta com tê-la perdido.
Ainda que esta seja a última dor que ela me causa,
e estes sejam os últimos versos que lhe escrevo.




terça-feira, 28 de dezembro de 2010

Gente - Renato Russo

"Não somos anjos voando, voltando do céu,
mas gente comum que ama de verdade,
gente que quer um mundo mais justo,
a gente que junta, o conseguirá."

           (Trecho: Tradução - Gente)

quinta-feira, 23 de dezembro de 2010

Estágio 2010 - Escola Maria Franca Pires

video 

O Estágio nas turmas de EJA, foi uma exigência do curso de Pedagogia da UNEB, do qual sou quase egressa. 
Vivenciar essa experiência foi acima de tudo, um grande aprendizado, afinal é isso que nos torna seres fascinantes, pois é na troca de experiências que o aprendizado acontece de fato; certa disso concluo essa etapa da vida de Pedagoga em formação, com a certeza de que muitos desafios virão e que devo estar pronta para enfrentá-los; desafios estes que nos moldam a cada dia, que nos tornam mais fortes a cada vitória, a cada conquista  enquanto seres aprendentes; que nos trazem a certeza de que vale a pena acreditar que podemos contribuir para uma educação ainda melhor.
Sentirei saudades de cada momento, de cada dia em que pude contribuir de alguma forma em cada turma que passei. E, passarei adiante tudo o que aprendi como estagiária, o afeto que foi despertado em mim pela arte de ensinar e aprender, assim como os valores que foram intensificados durante o processo.
Deixo aqui registrado aos meus leitores, os meus votos de um Natal feliz e de um ano novo cheio de boas energias, muita paz, saúde, esperança e coragem para lutar por dias melhores!


                 Um abraço a todos(a)!
                                               Leínha


sábado, 6 de novembro de 2010

Calem a boca, nordestinos!

José Barbosa Junior

A eleição de Dilma Rousseff trouxe à tona, entre muitas outras coisas, o que há de pior no Brasil em relação aos preconceitos. Sejam eles religiosos, partidários, regionais, foram lançados à luz de maneira violenta, sádica e contraditória.

Já escrevi sobre os preconceitos religiosos em outros textos e a cada dia me envergonho mais do povo que se diz evangélico (do qual faço parte) e dos pilantras profissionais de púlpito, como Silas Malafaia, Renê Terra Nova e outros, que se venderam de forma absurda aos seus candidatos. E que fique bem claro: não os cito por terem apoiado o Serra... outros pastores se venderam vergonhosamente para apoiarem a candidata petista. A luta pelo poder ainda é a maior no meio do baixo-evangelicismo brasileiro.

Mas o que me motivou a escrever este texto foi a celeuma causada na internet, que extrapolou a rede mundial de computadores, pelas declarações da paulista, estudante de Direito, Mayara Petruso, alavancada por uma declaração no twitter: "Nordestino não é gente. Faça um favor a SP, mate um nordestino afogado!".

Infelizmente, Mayara não foi a única. Vários outros “brasileiros” também passaram a agredir os nordestinos, revoltados com o resultado final das eleições, que elegeu a primeira mulher presidentE ou presidentA (sim, fui corrigido por muitos e convencido pelos "amigos" Houaiss e Aurélio) do nosso país.
E fiquei a pensar nas verdades ditas por estes jovens, tão emocionados em suas declarações contra os nordestinos. Eles têm razão!

Os nordestinos devem ficar quietos! Cale a boca, povo do Nordeste!

Que coisas boas vocês têm pra oferecer ao resto do país?

Ou vocês pensam que são os bons só porque deram à literatura brasileira nomes como o do alagoano Graciliano Ramos, dos paraibanos José Lins do Rego e Ariano Suassuna, dos pernambucanos João Cabral de Melo Neto e Manuel Bandeira, ou então dos cearenses José de Alencar e a maravilhosa Rachel de Queiroz?

Só porque o Maranhão nos deu Gonçalves Dias, Aluisio Azevedo, Arthur Azevedo, Ferreira Gullar, José Louzeiro e Josué Montello, e o Ceará nos presenteou com José de Alencar e Patativa do Assaré e a Bahia em seus encantos nos deu como herança Jorge Amado, vocês pensam que podem tudo?

Isso sem falar no humor brasileiro, de quem sugamos de vocês os talentos do genial Chico Anysio, do eterno trapalhão Renato Aragão, de Tom Cavalcante e até mesmo do palhaço Tiririca, que foi eleito o deputado federal mais votado pelos... pasmem... PAULISTAS!!!

E já que está na moda o cinema brasileiro, ainda poderia falar de atores como os cearenses José Wilker, Luiza Tomé, Milton Moraes e Emiliano Queiróz, o inesquecível Dirceu Borboleta, ou ainda do paraibano José Dumont ou de Marco Nanini, Bruno Garcia, Virgínia Canvendish, Tuca Andrada, todos pernambucanos.

Ah! E ainda os baianos Lázaro Ramos e Wagner Moura, que será eternizado pelo “carioca” Capitão Nascimento, de Tropa de Elite, 1 e 2.

Música? Não, vocês nordestinos não poderiam ter coisa boa a nos oferecer, povo analfabeto e sem cultura...

Ou pensam que teremos que aceitar vocês por causa da aterradora simplicidade e majestade de Luiz Gonzaga, o rei do baião? Ou das lindas canções de Nando Cordel e dos seus conterrâneos pernambucanos Alceu Valença, Dominguinhos, Geraldo Azevedo e Lenine? Isso sem falar nos paraibanos Zé e Elba Ramalho e do cearense Fagner...

E Não poderia deixar de lembrar também da genialidade baiana de Caetano Veloso, Gilberto Gil, Gal Costa, Maria Bethania e da família Caymmi e suas melofias doces e baianas a embalar dias e noites repletas de poesia...

Ah! Nordestinos...

Além de tudo isso, vocês ainda resistiram à escravatura? E foi daí que nasceu o mais famoso quilombo, símbolo da resistência dos negros á força opressora do branco que sabe o que é melhor para o nosso país? Por que vocês foram nos dar Zumbi dos Palmares? Só para marcar mais um ponto na sofrida e linda história do seu povo?

Um conselho, pobres nordestinos. Vocês deveriam aprender conosco, povo civilizado do sul e sudeste do Brasil. Nós, sim, temos coisas boas a lhes ensinar.

Por que não aprendem conosco os batidões do funk carioca? Deveriam aprender e ver as suas meninas dançarem até o chão, sendo carinhosamente chamadas de “cachorras”. Além disso, deveriam aprender também muito da poesia estética e musical de Tati Quebra-Barraco, Latino e Kelly Key. Sim, porque melhor que a asa branca bater asas e voar, é ter festa no apê e rolar bundalelê!

Por que não aprendem do pagode gostoso de Netinho de Paula? E ainda poderiam levar suas meninas para “um dia de princesa” (se não apanharem no caminho)! Ou então o rock melódico e poético de Supla! Vocês adorariam!!!

Mas se não quiserem, podemos pedir ao pessoal aqui do lado, do Mato Grosso do Sul, que lhes exporte o sertanejo universitário... coisa da melhor qualidade!

Ah! E sem falar numa coisa que vocês tem que aprender conosco, povo civilizado, branco e intelectualizado: explorar bem o trabalho infantil! Vocês não sabem, mas na verdade não está em jogo se é ou não trabalho infantil (isso pouco vale pra justiça), o que importa mesmo é o QUANTO esse trabalho infantil vai render. Ou vocês não perceberam ainda que suas crianças não podem trabalhar nas plantações, nas roças, etc. porque isso as afasta da escola e é um trabalho horroroso e sujo, mas na verdade, é porque ganha pouco. Bom mesmo é a menina deixar de estudar pra ser modelo e sustentar os pais, ou ser atriz mirim ou cantora e ter a sua vida totalmente modificada, mesmo que não tenha estrutura psicológica pra isso... mas o que importa mesmo é que vão encher o bolso e nunca precisarão de Bolsa-família, daí, é fácil criticar quem precisa!

Minha mensagem então é essa: - Calem a boca, nordestinos!
Calem a boca, porque vocês não precisam se rebaixar e tentar responder a tantos absurdos de gente que não entende o que é, mesmo sendo abandonado por tantos anos pelo próprio país, vocês tirarem tanta beleza e poesia das mãos calejadas e das peles ressecadas de sol a sol.

Calem a boca, e deixem quem não tem nada pra dizer jogar suas palavras ao vento. Não deixem que isso os tire de sua posição majestosa na construção desse povo maravilhoso, de tantas cores, sotaques, religiões e gentes.

Calem a boca, porque a história desse país responderá por si mesma a importância e a contribuição que vocês nos legaram, seja na literatura, na música, nas artes cênicas ou em quaisquer situações em que a força do seu povo falou mais alto e fez valer a máxima do escritor: “O sertanejo é, antes de tudo, um forte!”

Que o Deus de todos os povos, raças, tribos e nações, os abençoe, queridos irmãos nordestinos!

Amigos...

“Um dia a maioria de nós irá se separar
Sentiremos saudades de todas as conversas 
jogadas fora, as descobertas que fizemos, 
dos sonhos que tivemos,dos tantos risos 
e momentos compartilhados.
Se isso acontecer, e cada momento 
for mais raro,teremos as lembranças.
E se um dia meus filhos, ou quem sabe 
meus netos me perguntarem, vendo aquelas
fotos“antigas”, -quem são estas pessoas? 
E estas roupas esquisitas?
Após um breve riso direi com orgulho:
- Foram meus amigos, com os quais vivi 
meus melhores momentos.
Neste instante a saudade vai apertar, 
doer de fato pela ausência.
Quem sabe algumas lágrimas de tristeza 
e felicidade cairão de meus olhos...”

                                                                                             
Vinícius de Moraes